Ao completar 70 anos, o imóvel no Campo Belo, em São Paulo, abrigará exposições, um café e estações de trabalho

Tombada e um dos principais exemplares da arquitetura denominada Escola Paulista, a casa transformada em centro cultural foi inaugurada ontem (21 de março) com a exposição Artigas: A Casa como Cidade. Erguida em 1949, a construção abrigou a família Artigas até 2016, foi revitalizada entre 2016 e 2017, e agora sedia o Instituto Casa Vilanova Artigas (ICVA), voltado para a valorização do patrimônio histórico e da arquitetura, do design e da arte. O espaço foi preparado para exibir projetos e imagens da vida e obra do arquiteto, além de mostras e eventos.

A empreitada é da arquiteta paulistana Talita De Nardo Missaglia, aluna de Julio Artigas, filho do ilustre arquiteto, em 1998. A revitalização contou com parcerias com empresas e profissionais do setor para fornecimento de materiais e mão de obra. “Eu morei a vida inteira no Campo Belo e sempre admirei esta casa. Ter a oportunidade de cuidar desse espaço e manter sua vocação social é desafiador e um orgulho”, destaca Talita, responsável pelo ICVA.

O Instituto conta ainda com o Café Artigas, onde os visitantes podem experimentar um seleto cardápio inspirado nos arquitetos modernistas brasileiros, assinado pelo chef André Galante e comandado por Mauricio Tuzzolo. Operando inicialmente em soft open, o café funcionará normalmente a partir de 1º de abril. Na área externa, os jardins, planejados por Burle Marx, foram reeditados pelo mineiro Luis Carlos Orsini. Outra novidade é o coworking com dez estações, localizado no antigo quarto de Vilanova Artigas, cômodo com pé-direito duplo. Na rua Barão de Jaceguai, 1151, de quarta a sábado para visitação gratuita do público.

Fotos: Divulgação

Leia também