Veja o que algumas galerias, fabricantes, designers independentes e arquitetos mostrarão no setor Design da feira

O setor exclusivo dedicado ao design brasileiro foi dividido este ano em cinco núcleos: Design Moderno, Design Contemporâneo, Antiquários, Designers Independentes e Arquitetos. Com 45 expositores, traz novidades, como o núcleo Arquitetos, com profissionais apresentando mobiliário de própria autoria, e o de Designers Independentes com novos nomes em produção inovadora.

Modernos

Joaquim, José e Jorge. Esse é o nome da exposição do Apartamento 61, que traz peças dos designers Joaquim Tenreiro, José Zanine Caldas e Jorge Zalszupin em cenografia assinada pelo arquiteto Felipe Hess. As peças originais estarão expostas de maneira a evidenciar as similaridades e as diferenças de cada um desses repertórios. A dupla de galeristas expõe ainda as obras do chileno Mario Morales, artista contemporâneo dedicado à pintura óptica e cinética.

Passado Composto Século XX destaca a tapeçaria de Norberto Nicola – integrante da VIII Bienal de São Paulo (1965) – e a do artista francês Jacques Douchez. Móveis modernos assinados por Joaquim Tenreiro, Geraldo de Barros, Sergio Rodrigues e Jorge Zalszupin complementam o espaço da galeria.

Já a Artemobilia traz chaises dos anos 1950 e 1970, assinadas por Carlo Hauner, Oscar Niemeyer e Giuseppe Scapinelli. Desse último, haverá também mesas modernistas dos anos 1950 influenciadas pelo surrealismo.

Contemporâneos

As criações de Fernando e Humberto Campana para a coleção Objets Nomades, da Louis Vuitton, estarão expostas na feira, como o armário suspenso Maracatu, criado com fitas de couro coloridas e inspirado em trajes de festas populares do Brasil. Os irmãos são os únicos designers a realizarem quatro coleções consecutivas para a marca.

Ovo lança duas linhas inéditas: Paisagem, com estofados modulares angulosos que remetem a montanhas, e a linha Praça (foto), composta por mesas de centro e lateral, feitas de madeira de catuaba ou granito preto. Gerson de Oliveira e Luciana Martins, designers do estúdio, exibirão ainda clássicos da marca, além de uma série de fotografias que dialogam com os novos trabalhos.

Herança Cultural, especializada em móveis vintage e contemporâneos, convidou quatro artistas para desenvolverem peças de sentar: banco, banquinho e poltrona. Os contemplados foram Marcelo Magalhães, Rodrigo Ohtake, Ronald Sasson e Zanini de Zanine.

O designer carioca Gustavo Bittencourt, com ateliê em Petrópolis, RJ, complementa sua linha Benjamin, cuja poltrona foi lançada na última edição da SP-Arte, com a cadeira e o banco de madeira maciça e assentos de palhinha natural, remetendo ao móvel moderno brasileiro. Gustavo também trará como novidade uma estante com estrutura circular e nichos de madeira. A cadeira Coroa, peça do ano passado, volta a ter destaque.

Hugo França apresenta duas raridades: uma canoa de mais de 100 anos usada pelos índios Pataxó transformada em cadeiras, Maitá e Marimbá, e uma escultura de pau-brasil. Foi a partir de uma busca por raízes de pequi-vinagreiro, matéria-prima já em extinção e presente na maior parte de suas criações, que o designer e sua equipe encontraram, ao acaso, a raiz. Escondida no solo arenoso de uma vegetação de Muçununga, a rara madeira, símbolo da primeira prática comercial do Brasil-Colônia, ganhou nova vida.

O coletivo Plataforma 4, formado pelas designers Amélia Tarozzo, Camila Fix, Flávia Pagotti e Rejane de Carvalho Leite, transformou a poltrona Areia, fabricada pela Líder, em superfície para as intervenções artesanais de Ana Vaz e Inês Schertel. Cada uma das artistas imaginou uma nova casca para o móvel com assento de couro suspenso remetendo a uma concha. Inês confeccionou uma capa em camadas, com a lã das ovelhas que cria no Rio Grande do Sul (foto2). Já Ana tramou uma manta com fios de seda pura refugado e também envolveu a peça com restos de tronco e fios de cobre (fotos 3 e 4).

Arquitetos

Paulo Mendes da Rocha + MMBB retornam ao festival com o mobiliário desenhado para o Sesc 24 de Maio, na capital paulista. Os itens de metal ganham produção em escala pela Ovo, possibilitando a aquisição do mobiliário desenvolvido para o prédio do centro de São Paulo.

Rodrigo Ohtake, entre os arquitetos mais jovens, apresenta a linha Pouso, concebida artesanalmente de aço inox pela Mekal. A densidade do material é balanceada com linhas simples que atribuem leveza às peças.

Dado Castello Branco mostra suas mesas de jogos (foto) desenhadas para a Etel, enquanto Arthur Casas assina uma linha de luminárias.

Os móveis em formato de edifícios do mineiro Porfírio Valladares estarão contemplados em 11 peças de marcenaria tradicional que discutem a construção da cidade contemporânea.

O escritório franco-brasileiro Triptyque em parceria com a Punto e Filo mostra o modelo desenvolvido para a marca de tapetes.

Designers independentes

Fotos: Fran Parente

O vaso Solitário é a atração no estande do arquiteto e designer Leandro Garcia. Em contraste com seu volume maciço, um pequeno furo, perpendicular ao topo e deslocado do eixo central da base, resulta numa única abertura elíptica. Em versão de piso, possui diversas dimensões e opções de rochas ornamentais brasileiras.

Claudia Issa, com sua marca Konsepta, mostra os itens da linha Disforma, que incorpora o desigual nas formas da obra, e peças inéditas, como as da Metaformas e as da Ânfora.

Estúdio Rain traz para a feira a série Correntes: três esculturas de aço inox, produzidas manualmente, com elos brilhantes e de diferentes tamanhos e as luminárias Orbe.

Fotos: Ruy Teixeira

Paula Junchem leva para a feira sua instigante coleção de vasos de cerâmica.

Em parceria com a Itens Collections, a designer Ana Neute lança a coleção Fluida de luminárias de vidro borossilicato, composta por sete modelos distintos, feitos artesanalmente e inspirados nas relações entre tempo, formas, transformações e fluidez.

Antiquários

De volta à feira, Resplendor Antiguidades e ArteHomenco Antiguidades e Sandra & Marcio mostram tapeçarias e mobiliários antigos e Rafael Moraes, por sua vez, apresenta joias raras dos séculos XVIII e XIX.

Projetos especiais

Em parceria com a ArtemobiliaGaleria Murilo Castro e Loja Teo, a feira sedia também uma exposição em homenagem ao artista visual Abraham Palatnik, traçando um diálogo entre seu legado artístico e uma série de mobiliários, como aparadores e banquetas desenhados nos anos 1950.