Expert em combinar cores e texturas, o alemão se consolida como um dos grandes talentos da atualidade aos 37 anos

Sebastian privilegia o artesanal em suas produções para a indústria internacional. Foto: Gaby Gerster.

A edição de inverno da Maison&Objet Paris, de 18 a 22 de janeiro, terá retrospectiva da produção de Sebastian Herkner, eleito o designer do ano pela feira. A escolha dos organizadores levou em conta a originalidade e a excelência do trabalho de seu estúdio. Elencamos abaixo os principais feitos que explicam a carreira célere do prestigiado alemão.

1. Aprendizado sólido

Após abrir o próprio estúdio próximo a Frankfurt, em 2006, Sebastian esteve presente três vezes no Salão Satellite, em Milão, evento que reúne os jovens talentos internacionais. Essas participações renderam boas relações com empresas italianas e estrangeiras, como a Moroso e a ClassiCon, para quem projetou os primeiros produtos lançados no mercado, em 2012.

2. Paixão pelo feito à mão

O ofício artesanal sempre foi uma forte influência para o designer. Tanto que seu interesse pelos artesãos vidreiros guiou a primeira criação: a mesa Bell, cujo tampo de aço e latão apoia-se sobre uma base de vidro soprado. Ele se mantém fiel a esse conceito, idealizando produtos que aliam o tradicional com as novas tecnologias. Em sua recente reinterpretação da clássica cadeira Thonet, ele usou técnica artesanal e máquina CNC para dar origem ao modelo 118.

3. Criatividade pulsante

Em 2018, o alemão somou mais de 20 projetos para marcas como Moroso, Dedon, Thonet, Pulpo, ClassiCon, Rugcompany e Linteloo. Neste ano, ele promete lançar ainda mais itens: lâmpada para a Pulpo, tapete para a The Rug Company em parceria com a empresa dinamarquesa Andtradition e cadeiras para ampliar a família já desenvolvida para Thonet e Dedon.

4. Autenticidade

Sebastian não se guia por tendências e se preocupa em projetar itens com materiais de alta qualidade que envelhecem bem. Perfeccionista, tem como meta transformar matéria em objetos únicos.

5. Ousadia consciente

Com um extenso portfólio de produtos, que inclui de bicicleta a louça e frascos de perfume, ele é movido a desafios e gosta de desbravar territórios inexplorados. Ainda estudante de design industrial, desembarcou em Londres para um estágio com Stella McCartney a fim de investigar processos de fabricação na moda e entender como cores relacionam-se entre si.

6. Estética apurada

Cores, aliás, são premissas no trabalho do alemão, que foi aperfeiçoando as combinações de tons ao longo da carreira. “A cor é meu ponto de partida para todo o processo de design”, revelou certa vez numa entrevista.

7. Inspiração multicultural

Com olhar sensível ao belo, ele faz de suas viagens referências para seus projetos. Esteve na África e na América do Sul desenvolvendo produtos. Na Colômbia foi convidado a reviver o artesanato local e, com artesãos do país, produziu a série de tapetes Nudo e a coleção de cerâmica Barro. “Culturas diferentes e lifestyle são  combustíveis para minha inspiração.”

8. Coerência

Responsabilidade social e a sustentabilidade são pontos cruciais para o designer que ganhou respeito das empresas com que trabalha por sua postura crítica e ética, totalmente comprometida com o processo criativo.

9. Reconhecimento

Em 12 anos de carreira, o alemão soma cerca de 30 prêmios de design, como iF, German Design Award, Wallpaper Design Award, entre outros.

Veja também abaixo a entrevista que fizemos via e-mail com o designer. As respostas chegaram em 14 de janeiro, alguns dias depois de divulgarmos a newsletter desta edição de número 7.

O que significa para você ser considerado designer do ano?
É uma grande honra para mim e para a minha equipe, mas também para todas as pessoas com quem tive o privilégio de trabalhar nos últimos dez anos. Sem o incrível trabalho dos artesãos, meus projetos não teriam esse espírito e beleza.

Quais são seus planos para 2019?
Em Paris, na Maison&Objet, mostraremos uma instalação sobre nossa filosofia de trabalho e design, com foco na combinação de artesanato e tecnologia. Quero mostrar a importância do material e da cor nos projetos e também nossa enorme responsabilidade como designer. Quero continuar com minha abordagem de projetar objetos que se tornem companheiros para nossa vida.

Quais projetos de 2018 você destacaria?
A cadeira que projetamos para a Thonet em homenagem aos 200 anos de celebração da empresa. É uma cadeira de madeira sólida e simples, mas elegante para a casa ou restaurantes, com base no DNA da Thonet e no meu entendimento de design. Na Maison&Objet, vamos mostrar a nova versão da banqueta desta coleção 118.

O que você vai lançar em Milão e com quais empresas?
Vamos apresentar uma extensão da nossa bem-sucedida coleção Mbrace para a Dedon, bem como uma nova cadeira de área externa para a Emu. Além disso, estamos também desenvolvendo com uma empresa espanhola de iluminação novos produtos para mostrar na Euroluce.

Fotos: Reprodução/Sebastian Herkner.