O arquiteto, aos 81 anos, terá mostras sobre seus projetos de arquitetura e design

Os 60 anos de carreira de Ruy Ohtake, de recém-formado até hoje, poderá ser conferido em duas exposições na capital paulista. O Instituto Tomie Ohtake reúne em “Ruy Ohtake: o design da forma” 25 peças selecionadas pelos curadores Fábio Magalhães, Marili Brandão e Priscyla Gomes. A abertura acontece em 25 de fevereiro, às 20h. No dia seguinte, às 19h, o Museu da Casa Brasileira (MCB) estreia “Ruy Ohtake: a produção do espaço” com 40 projetos arquitetônicos construídos ou em construção. A curadoria é de Agnaldo Farias.

Feita em associação com o Museu Oscar Niemeyer, de Curitiba, a exposição no MCB pontuará o pensamento espacial de um dos principais arquitetos brasileiros, por meio de maquetes, desenhos, plantas, fotografias e vídeos.

No Instituto Tomie Ohtake, estarão reunidas peças de mobiliário, objetos e materiais de acabamento, alguns desenhados para empresas outros para casas e edifícios projetados: mesas, estantes, sofás, aparadores e escadas de concreto. “Há muitos anos o arquiteto tem um modus operandi único, com a arquitetura e o design inseridos no mesmo corpo”, afirma o curador Fabio Magalhães.  O recorte dessas peças busca destrinchar a proximidade do profissional com o estudo dos materiais, seus comportamentos e limites, além de um entendimento atento às etapas de produção.

Dois livros sobre a obra do arquiteto e designer serão lançados nos próximos meses. O da Olhares em coedição com o Instituto Tomie Ohtake circulará no final de março, mas já terá pré-venda programada no site da editora no início de março.

No Instituto Tomie Ohtake estarão expostas peças desenhadas por Ruy Ohtake para projetos de arquitetura próprios e de empresas privadas. 

Exposição no Museu da Casa Brasileira traz projetos urbanísticos, como o do Parque Ecológico do Tietê, e particulares, como a casa onde viveu Tomie Ohtake, mãe de Ruy.