Designer e tecelão, o carioca espalhou seu conhecimento a mais de 200 comunidades no Brasil e na África

Renato Imbroisi cresceu vendo a avó tecer, aprendeu a técnica com uma amiga e, aos 17 anos, comprou seu próprio tear. Aos 19 anos, já casado, começou a pesquisar a tecelagem mineira. Simpático e cativante, ele foi conquistando a confiança dos artesãos pelo país ao ser chamado por diversas instituições, como o Sebrae, o Senac, entre outros, a coordenar oficinas para desenvolver habilidades manuais ou revitalizar técnicas ancestrais em rincões pelo país. Trabalha múltiplos materiais: algodão, fibras vegetais, sementes, barro, prata, lã, criando produtos junto aos artesão que vão de cestas a colchas ricamente bordadas. Melhorar a qualidade do artesanato para inseri-lo no mercado nacional e gerar renda a essas comunidades são objetivos perseguidos com paixão pelo designer. Num longo bate-papo, Renato contou-me algumas dessas suas deliciosas histórias. Abaixo, fotos de trabalhos realizados por ele em diferentes estados brasileiros e na África.

Lucas Moura.