Designer paulista comenta sobre o prêmio internacional de arquitetura que recebeu com projeto de escola e moradia infantil no Tocantins

Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela: a dupla divide o prêmio com o escritório curitibano Aleph Zero. Foto: Diego Cagnato. 

Na semana passada, a notícia repercutiu freneticamente nas redes sociais, sites e veículos impressos. Não era para menos: pela primeira vez em doze anos de premiação internacional, o Riba – sigla em inglês para Instituto Real de Arquitetos Britânicos – concedeu o prêmio máximo a um projeto brasileiro. A Morada Infantil Canuanã, projeto dos escritórios Rosenbaum e Aleph Zero na zona rural de Formoso do Araguaia, no Tocantins, mantida pela Fundação Bradesco, conquistou o rigoroso júri que chegou a visitar o local para avaliá-lo, assim como a outros três finalistas de Budapeste, Milão e Tóquio. Na entrevista, Marcelo Rosenbaum conta sobre o prêmio, os destaques do edifício que abriga mais de 800 crianças e os novos desafios.

Veja também matérias publicadas sobre o projeto premiado na Folha de S. Paulo e em O Globo:

 https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/11/arquitetos-brasileiros-levam-premio-internacional-por-moradia-escolar.shtml

https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2018/11/21/escola-que-venceu-premio-internacional-abriga-mais-de-800-alunos-carentes-no-sul-do-to.ghtml

Fotos: Leonardo Finotti.

Morada Infantil Cauanã, o primeiro projeto brasileiro a receber o prêmio máximo do Riba.