Capital paulista começa novembro com mostras de relevantes nomes da arte mundial

A exposição Leonardo da Vinci – 500 Anos de um Gênio, a ser inaugurada em 2 de novembro, promete proporcionar uma experiência interativa inédita no país. O local onde acontece a mostra também é uma novidade: o MIS Experience, unidade do Museu da Imagem e do Som na Água Branca (r. Vladimir Herzog, 75). Para o público brasileiro, será a oportunidade de conhecer a vida e o legado desse mestre multidisciplinar por meio de uma exclusiva galeria com projeções. Veja abaixo outras exposições que merecem sua visita.

Leonardo da Vinci – 500 Anos de um Gênio

A mostra sobre Leonardo da Vinci apresenta a trajetória do grande gênio renascentista e traz réplicas de máquinas desenhadas pelo italiano. Os visitantes terão uma experiência multissensorial com animações gráficas em alta definição, combinadas com conteúdo multimídia e narrativa em áudio. Essa também será a oportunidade de conhecer, pela primeira vez, a mente de Leonardo que lançou as bases para algumas das invenções mais notáveis da sociedade moderna, como o helicóptero, o automóvel, o submarino, o paraquedas e a bicicleta. Não deixe de ver também os Segredos de Mona Lisa – uma análise da pintura mais famosa do mundo, realizada no Museu do Louvre por Pascal Cotte, renomado engenheiro, pesquisador e fotógrafo de obras de arte.

Criada em parceria com o Museo Leonardo da Vinci, em Roma, e contando com a colaboração de diversos especialistas e historiadores da Itália e da França, a exposição é criada pela Grande Exhibitions, empresa sediada na Austrália, com escritórios no Reino Unido e nos EUA.

MIS Experience, rua Vladimir Herzog, 75, até 2 de março de 2020, de terças a domingos, inclusive feriados, das 10h às 20h. Na terça-feira, a entrada é gratuita. De quarta a sexta, custa 30 reais (inteira) e 15 reais (meia), sábado, domingo e feriados, 40 reais (inteira) e 20 (meia).

Entrevendo, de Cildo Meireles

A exposição antológica com curadoria de Júlia Rebouças e Diego Matos ficará no Sesc Pompeia até 2 de fevereiro. Em um espaço de 3 mil m², reúne cerca de 150 criações – algumas inéditas no país – e preenche uma lacuna de quase duas décadas sem uma grande mostra nacional do artista, um dos nomes mais importantes da arte brasileira. Entrevendo, a obra que nomeia o evento, está exposta na área de Convivência e convida a caminhar contra um ventilador de ar quente em uma instalação cilíndrica.

No mesmo espaço, está Amerikkka (1991/2013), obra inédita no país e que faz nascer uma América a partir de aproximadamente 17 mil ovos de madeira e 33 mil balas de armas de fogo. Outra grande instalação é Missão, Missões (Como construir catedrais – 1987/2019),  que pensa os processos missionários de catequização de indígenas a partir de milhares de moedas, ossos de boi, centenas de hóstias.

Sesc Pompeia, rua Clélia, 93. Visitação gratuita, de terça a sábado, das 10h às 21h30. Domingos e feriados, das 10h às 19h30. Até 2 de fevereiro.

Superfícies, de Vik Muniz

Terceira mostra individual de Vik Muniz na galeria Nara Roesler, Superfícies é composta por uma série de 22 trabalhos inéditos, todos únicos e produzidos neste ano. O artista subtrai novamente os elementos concretos que diferenciam uma pintura de uma fotografia por meio de imagens em camadas. Embora as obras utilizem a pintura tanto em seu processo quanto em seu conceito, elas, na verdade, são imagens fotográficas não reprodutíveis que, de forma ambígua, valorizam simultaneamente as superfícies materiais e conceituais e necessitam da presença física do observador para obterem êxito. A exibição ocorre também em Nova York.

Galeria Nara Roesler, av. Europa, 655, visitação gratuita, de terça a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábado, das 11h às 13h, até 14 de dezembro.

Entremeadas

A mostra, localizada na entrada do Sesc Vila Mariana, nos presenteia com uma exposição na qual o fazer manual ganha o protagonismo, revelando-se um precioso patrimônio de nossa cultura. Na seleção da curadora Adélia Borges, há cerca de 60 trabalhos inéditos de mulheres paulistas, de associações, cooperativas e comunidades, que empregam linhas, fios e fibras, não só como fonte de renda, mas também como meio de interpretação de sua própria identidade e de manifestação de cidadania. “No decorrer das pesquisas, encontramos no território paulista expressões plurais, com muita qualidade e em plena ebulição criativa”, afirmou ela. A cenografia é de Adriana Yasbek.

Sesc Vila Mariana, rua Pelotas, 141, visitação gratuita, de terça a sexta, das 7h às 21h30, sábado das 9h às 21h, e domingos e feriados, das 9h às 18h30, até 9 de fevereiro de 2020.