O arquiteto e designer baiano ganha o mais completo livro sobre sua trajetória, com edição da Olhares, e lançamento em diversas cidades daqui e do exterior

Poucas histórias são tão fascinantes como a de José Zanine Caldas (1919-2001). Com uma incrível capacidade de realização, ele reinventou continuamente seu ofício, tendo como protagonistas a madeira e o saber artesanal, e tornou-se um dos grandes nomes da cultura material brasileira no século XX. Em 2019, no ano de seu centenário, Zanine ganha novo título, editado pela Olhares em parceria com a R&Company, galeria de Nova York, e a exposição “Zanine 100 anos – Forma e Resistência”, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. (Otávio Nazareth)

Os textos de José Zanine Caldas são assinados por Amanda Carvalho, Lauro Cavalcanti e Maria Cecilia Loschiavo, que contextualizam e dimensionam o legado desse grande criador de casas e móveis de madeira. Ao lado de um incrível material de acervo, o ensaio fotográfico de André Nazareth permite visualizar a potência de seus projetos. Já disponível para pré-venda, com frete grátis para o território nacional, o livro, o mais abrangente sobre essa trajetória, segue o perfil andarilho de Zanine e terá lançamento em Brasília (CasaPark, 24/09), São Paulo (Etel, 03/10), Rio de Janeiro (MAM, 05/10), Porto (Bienal de Design, 08/10), Lisboa (Livraria da Travessa, 10/10), Tiradentes (Semana Criativa, 17/10), Porto Alegre (Ateliê Liciê Hunsche, 05/11), Nova York (R & Company, 19/11), Vitória (Casa Cor), Salvador (Galeria Pena Cal) e São José dos Campos – essas três com data a definir. A publicação de capa dura é bilíngue (port/ing), com 300 páginas.

Desde 14 de setembro, o MAM Rio abriga a exposição “Zanine 100 anos – Forma e Resistência” com 18 obras. Curador de design do museu, Tulio Mariante selecionou obras emblemáticas e profícuas da produção de Zanine, dos anos 1960 a 1980, conhecida como “móvel-denúncia”. As peças, de madeira maciça, denunciavam de maneira pioneira o desmatamento das florestas brasileiras. “Zanine coletava as madeiras em restos de abates, muitas vezes irregulares, como forma de denúncia e resistência”, conta Tulio.

O centenário do arquiteto também será celebrado em mostras pelo país e no exterior. Em Brasília, as famosas maquetes de Zanine são o destaque. Na Casa Cor Vitória, móveis se combinam a fotos de André Nazareth, registradas para o livro da Olhares. Já em Nova York, na R&Company, o foco é a mobília vintage.

Fotos da montagem da exposição no MAM Rio, em 1983: Acervo Rita Tristão; Zanine com ferramentas: Fernanda Borges; Zanine: Acervo pessoal; Mobiliário: André Nazareth