Selecionamos oito espaços da mostra de decoração paulista com áreas de estar em meio à vegetação

Tem jardins para todos os gostos! São treze ambientes com inspirações diversas: na gastronomia, na caatinga, no modernismo… A Casa Cor São Paulo, no Jockey Club até 4 de agosto, é o palco perfeito para quem deseja sugestões para tornar a área externa a mais disputada da casa… Detalhamos quatro desses espaços e mostramos ainda uma galeria de imagens com mais projetos. Todos chamam a atenção pela caprichosa escolha de espécies e pelas agradáveis áreas de estar.

Fotos: Renato Navarro.

Filodendros imperiais, costelas-de-adão, marantas charuto e camarões gigantes se misturam harmoniosamente no Jardim Bauhaus, de Clariça Lima. Como o nome sugere, a paisagista tomou como inspiração a escola de arte alemã que tem seu centenário celebrado neste ano. No espaço, junto de outros três ambientes da mostra, a profissional mesclou áreas de circulação com núcleos verdes, setorizados por dois pisos: o Modulare, da Gaus, e o de seixos cinzas e pretos. Entre capins-do-texas verdes e rubros, palitos de fogo e jasmins-manga, uma instalação feita com cubas da Deca cria uma fonte para homenagear o artista francês Marcel Duchamp, inventor do ready made.

Fotos: Evelyn Muller.

Catê Poli e João Jadão planejaram os 250 m² do Jardim dos Chefs pensando na gastronomia de Janaína e Jefferson Rueda, casal à frente dos badalados Bar da Dona Onça, A Casa do Porco e Hot Pork, na região central de São Paulo. Espécies comestíveis, como capuchinha e lantana, se combinam a temperos plantados no chão: alecrim, manjericão e pimenta. Entre as árvores já existentes no Jockey, a dupla plantou jabuticabeiras, tamareiras, grumixameira – frutífera pouco conhecida da Mata Atlântica – e cavalinhas, planta de folhas pequenas com poderes medicinais. A composição de folhagens e espécies tropicais aguça a visão e o olfato no ambiente decorado com móveis de corda náutica (Tidelli), como a chaise-longue de Alfio Lisi, e mesas de centro de troncos de pequiá e itaúba (Arboreal), provenientes de manejo sustentável. Os vasos em formato de seixos também têm esse apelo e foram desenvolvidos com cana-de-açúcar para serem 100% recicláveis.

Fotos:Felipe Araújo e Evelyn Muller.

Na praça de entrada do Jardim dos Sentidos, da arquiteta-paisagista Bia Abreu, um Ficus Lyrata de 4,5 metros, contrasta com as linhas arquitetônicas da Casa Grão por Starbucks at Home, assinada pela Très Arquitetura. Do lado direito, um jardim vertical mescla samambaias, costelas-de-adão, guaimbês e véu-de-noiva. O elemento paisagístico se repete na área interna, emoldurando a estante vazada, desenhada pelas sócias do escritório de arquitetura. Dois pátios, em 116 m², convidam os visitantes à contemplação. Ali, bancos oferecem assentos junto da lareira a gás suspensa, assim como a dupla de balanços, de Lucas Neves, sob o pergolado. O espelho d’água e o piso de granilite trazem referências modernistas ao espaço. Em meio ao abundante verde, os toques de cor são sutis, com as medinilas de flores rosadas e as palmeiras-laca de tom avermelhado. Vasos e pedras soltos permitem que o jardim possa ser redimensionado em outras áreas.

Fotos: Evelyn Muller.

Promover a interação do homem com a natureza: esse é o objetivo do Jardim Elementar, da KalilFerre Paisagismo, comandado por Elaine Kalil e Maurício Ferre. O espaço integra três ambientes distintos da mostra e disponibiliza três diferentes áreas de receber. A primeira é o lounge, decorado com móveis da Artefacto e vasos de bromélias sobre as mesas de centro. Ao subir a rampa, encontram-se os demais ambientes: uma praça revestida de pedra (Paglioto), com lareira no centro, e um canto com os balanços Ipê, do designer Sergio J. Matos. Palmeiras, calatheas, guaimbés e ondulatum se misturam às árvores já existentes no Jockey Club.

Veja na galeria abaixo mais quatro jardins assinados pelos profissionais participantes da 33ª edição da mostra paulista, cujo tema é Planeta Casa.

Fotos: Divulgação, Sébastien Abramin e Reprodução/Instagram.

Leia também