Empreendimento no Brooklyn, em São Paulo, oferece atrações que vão muito além do modelo decorado

Com grande área verde, o empreendimento O Parque terá espécies da Mata Atlântica e rio artificial

Já foi o tempo em que um apartamento decorado por um célebre profissional era o único chamariz a convencer ávidos compradores de imóveis. Prova disso é o empreendimento O Parque, da incorporadora Gamaro, numa área de cerca de 40 mil m² no Brooklyn, onde serão construídas quatro torres – uma comercial e três residenciais com apartamentos de 78 a 410 m². Antes do lançamento de vendas, que deve acontecer em breve, o terreno abrigou uma plataforma de 50 m de altura para a edição Brasil do Dinner in the Sky, realizado entre setembro e outubro. Agora, a empresa conta com outras atrações, como uma mostra de decoração e um elevador virtual de dar inveja aos melhores parques de diversão.

A interatividade é o principal trunfo de marketing de O Parque: antes de conhecer os apartamentos decorados, o visitante é convidado a percorrer um túnel de 15 m de comprimento que recria, com imagens virtuais, o ambiente de uma floresta. Mata, rio, cachoeira, flores e borboletas fazem parte do cenário colorido e sensorial. Outra surpresa tecnológica está no elevador, que, por telas de vídeo de alta definição revestindo paredes, sugere uma viagem sobre nuvens e em torno das quatro torres, como num sobrevoo de helicóptero. Tudo tão real que se vê até o reflexo da cidade nos vidros das varandas.

Depois dessas duas experiências impactantes, chega a vez de conhecer a mostra de decoração que contempla ambientes dos anos 1940 ao 2030. “Chamamos um professor de história da arte, o Sérgio Gregori, para orientar o trabalho dos profissionais”, conta Vinicius Amato, diretor de incorporação da Gamaro. Cristina Barbara, Camila Klein e Carlos Rossi assinam o décor dos sete apartamentos, cada um inspirado em uma época. No de 2030, porém, óculos de realidade virtual indicam a decoração do futuro, com robô, impressora 3D e veículos voadores.

Além dessas inovações, o empreendimento promete ainda entregar um novo parque à cidade. “Em 25 mil m² de terreno, teremos área verde com plantas da Mata Atlântica e um rio artificial. Encontramos aqui cerca de 80 espécies nativas, algumas em extinção na cidade. Elas foram retiradas e levadas para um viveiro”, contou Ricardo Cardim, o responsável pela reconstituição da flora local. “Deixaremos para São Paulo um parque de uso público, mas dentro de um terreno privado. Chamo isso de capitalismo consciente, filosofia de nossa empresa e que ainda está em fase inicial no Brasil”, afirmou Vinicius Amato. Mesmo quem não está pensando em trocar de apartamento vai se impressionar com o tour cheio de experiências sensoriais e tecnológicas. Se as atrações reverterão em vendas? Isso já é outra história.

Veja também matéria publicada na Folha de S. Paulo:

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/10/megaempreendimento-para-capitalista-consciente-tera-parque-aberto-em-sao-paulo.shtml 

Fotos: Divulgação.

Com tons sóbrios, o apartamento de 78 m² foi decorado por Cristina Barbara sob a orientação de um historiador para retratar a década de 2010.

Também com ambientação de Cristina Barbara, o apartamento de 100 m² reúne de forma elegante cozinha e lavanderia na área social.

O empreendimento contará com um restaurante circular entre as torres.

Tanto as tores residenciais como a comercial tiveram as fachadas projetadas pelo escritório Triptyque.