Art Basel Hong Kong criou plataforma que permitiu a visita virtual a 235 galerias com 2 mil obras

Obra de Vik Muniz – Seated Black Woman

Como aconteceu com a SP Arte, em São Paulo, que adiou seu evento de abril para seguir as medidas de prevenção ao Covid-19, outras feiras de arte contemporânea no mundo tiveram suas edições canceladas ou adiadas. Foi o caso da Art Basel Hong Kong, que aconteceria de 17 a 20 de março. Os organizadores da feira, porém, transformaram o evento físico no “Online Viewing Rooms”, uma plataforma que possibilitou a visita e a venda de obras, de 20 a 25 de março, pelo site e pelo aplicativo da Art Basel. A experiência mostrou como o cenário e o consumo da arte podem mudar daqui para frente.

Quatro galerias brasileiras participaram da edição com o Projeto Latitude, parceria entre a Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), exibindo suas obras na plataforma: Bergamin & Gomide, Fortes D’Aloia & Gabriel, Mendes Wood DM e Galeria Nara Roesler (obra de Vik Muniz, acima).

Segundo os organizadores, a edição inaugural atraiu mais de 250 mil visitantes de todo o mundo, com 235 galerias e mais de 2 mil obras. “A nova iniciativa uniu a comunidade de arte durante um período desafiador. Colecionadores se juntaram para fazer os tours virtuais e contemplarem as exposições online, inventando novas formas de aproveitar a feira”, relataram. A proposta é que este seja um conteúdo extra ao que já existe nas feiras regulares.

Obras presentes na Galeria Fortes D’Aloi & Gabriel

Para Alex Gabriel, da Galeria Fortes D’Aloia & Gabriel, em São Paulo, a grande diferença de uma feira online é o alcance. “Você percebe pessoas que não vão normalmente às feiras interessadas em saber sobre os artistas e as obras. E a ideia é fazer o mesmo para as demais exposições que estavam abertas na galeria e na Carpintaria. Estamos trabalhando nisso agora. É importante para nós e para os artistas. Acredito que será bem recebido por aqueles que acompanham nosso trabalho, mas também pelo público em geral. Importante fornecer conteúdo de qualidade neste momento especialmente duro da nossa história”, afirmou.

No mesmo caminho, outras galerias brasileiras apresentam iniciativas digitais. A Zipper disponibiliza tour virtual 3D para as exposições individuais de Marcelo Tinoco e Vitor Mizael (clique aqui) e a Galeria Estação para a exposição “Dan Coopay – Sunday” (clique aqui).

Outra galeria que retoma o universo digital no qual foi sua origem é a Aura. Ela disponibilizará dois cursos com a curadora e crítica de arte Paola Fabres, editora da revista Arte Con Texto e membro do comitê de acervo e curadoria do MAC Rio Grande do Sul. Os temas são: Um salto pela história da arte, de 30 e 31 de março (quarta e quinta-feira), das 19h às 20h30; e Arte contemporânea, vale tudo?, de 1 a 2 de abril (segunda e terça-feira), de 19h às 20h30. Cada curso custa cem reais, com vagas limitadas e inscrições pelo site: aura.art.br.

Bergamin & Gomide

Obra de Marcelo Cipis, Alegria [Joy], 2018, apresentada durante o evento online Viewingrooms, plataforma digital da Art Basel.

Galeria Mendes Wood DM

Obras da Galeria Mendes Wood DM, apresentadas durante o evento online Viewingrooms, plataforma digital da Art Basel.