Desvendamos esse mistério e apresentamos talentosos estúdios que desenvolvem produtos para nosso país

Na minha recente viagem a Montevidéu, no início de dezembro, eu descobri que o país vizinho, com pouco mais de 3,5 milhões de habitantes, tem indústria incipiente, mas muito bons designers. Faculdades de renome garantem a excelente formação dos profissionais, premiados em vários concursos na América e na Europa. Para você ter ideia, os uruguaios chegaram a classificar 32 produtos entre os 120 finalistas numa das edições do Salão Design Brasil. “O desenho deles é bem resolvidos e atende com objetividade às expectativas da indústria”, conta Felipe Delazzeri, diretor administrativo da Puntomobile. A fábrica em Garibaldi, no Rio Grande do Sul, foi uma das primeiras a introduzir o traço latino em sua produção, exibindo no portfólio móveis de estúdios como o Claro e o Menini Nicola.

Outra empresa que se rendeu a esses talentos foi a Tok&Stok. Em 2016, lançou a coleção Di.Se.Ño, com 16 peças de diferentes autores: poltronas, mesas, buffets, banco, relógios, luminária e almofada. “O Uruguai é um dos países mais promissores para o design na América Latina”, afirma Ademir Bueno, gerente de design e tendências. “Os designers têm linguagem atual, simples e preocupação com o conforto.”

Fundador da marca Muma em 2014, o arquiteto pernambucano Matheus Ximenes integrou o grupo de empresários brasileiros, convidado pelo Uruguai XXI e pela Câmara de Desenho do Uruguai, a conhecer diversos estúdios em uma rodada de negócios. “Eles chegam com a solução pronta, projetam móveis sem firulas, voltados ao mercado de grande escala”, considera Matheus, que conta hoje com os estúdios Menini e Nicola e Amueblate entre seus colaboradores, mas ainda pretende ampliar esse quadro.

Edith Diesendruck, sócia das lojas Estar Móveis, em São Paulo, acompanha e coleciona há três anos o design do país do Mercosul. Em seu acervo, ela mantém peças de Menini Nicola e de outras duplas, como a do Claro, do Diario e do Lateral. “Gosto do traço simples e elegante que eles imprimem. Percebo unidade de estilo no trabalho”, diz. Com apoio de instituições de classe, os estúdios têm caminhado para a internacionalização. “Dá para notar que, devagarinho, os uruguaios estão conquistando espaço por aqui, criando cada vez mais para as empresas brasileiras”, conclui Edith.

Fotos: Reprodução/Instagram

Menini Nicola

O mais conhecido estúdio de design autoral do Uruguai foi fundado em 2008 por Augustín Menini e Carlo Nicola, ambos designers industriais, focados em criar mobiliário. A inspiração vem do estilo escandinavo e o principal interesse é por desenvolver produtos de caráter sustentável, levando-se em conta o uso do material, o ciclo de vida do produto e as condições regionais. “Queremos que nossas peças envelheçam com dignidade”, dizem. Venceram diversos prêmios, inclusive no Brasil, com móveis como os das linhas Monteví, Chato e Guga. Há anos firmaram parceria com a fábrica Puntomobile, de Garibaldi, no Rio Grande do Sul, para quem continuam a projetar. “O designer carioca Bernardo Senna nos apresentou a eles, dizendo que precisavam conhecer nosso trabalho. Somos muito gratos por isso e procuramos fazer o mesmo com os estúdios de design que nos procuram”, afirmou Augustín durante bate-papo no espaço deles, localizado no primeiro pavimento de uma antiga galeria na região central da capital uruguaia. Para a Tok&Stok, a dupla idealizou itens para a coleção Di.Se.Ño. Nicola atualmente vive na Dinamarca, mas a dupla continua unida, vendendo seus exemplares pelo site.

Fotos: Reprodução/Instagram

Estúdio Claro

Os designers industriais Rosina Secondi e Daniel Appel se uniram em 2008 para fundar o estúdio. Começaram desenvolvendo projetos para interiores, mas, devido a várias premiações em concursos de design internacional, direcionaram o trabalho para o segmento mobiliário. “Nosso interesse está na otimização dos processos de produção e na busca constante por diferenciação. O desenho é essencial para criar impacto e valor agregado”, afirmam. Em Montevidéu, estão instalados num imóvel na região central, onde expõem protótipos, como os da linha de mobiliário Prado, fabricada e vendida no Brasil pela Tok&Stok, e os de projetos mais recentes. Um deles é o apoiador de bicicletas em formato de caixa de correio, para também guardar chaves e correspondências. Para o festival London Design, realizado em setembro, criaram uma linha de luminárias, que deve ser comercializada na Europa, além de vasos de cerâmica.

Fotos: Reprodução/Instagram

Muar

De uma parceria plural e complementar nasceu o estúdio Muar. Formada em design industrial e fotografia, Carolina Arias Bianchi se uniu ao arquiteto e desenhista Federico Mujica Iturria em 2011. “Nossos projetos de interiores são fonte de inspiração para os móveis que desenvolvemos”, afirmam. Com traço limpo e elegante combinado a uso de materiais nobres, a dupla conquista prêmios de design desde 2013, quando se destacou no Salão Design, no Brasil. Desde então, seus produtos são finalistas de quase todas as edições. Em 2018, foram vencedores com a linha de sofás contemporâneos Hum. “Estávamos procurando um novo olhar para as poltronas de estofamento tradicionais e o uso de fibras naturais, mantendo processos e técnicas tradicionais. Os desafios foram prender o encosto de madeira curvada em peças metálicas sem perder a leveza do esboço, e também resolver o forramento de rattan sem precisar cortá-lo”, conta Federico.

Fotos: Reprodução/Instagram

Estúdio Diario

“Diario é uma palavra simples e familiar que expressa nossa missão: levar desenho às pessoas por meio de produtos do cotidiano que tenham histórias para contar”, afirmam Guilhermo Salhón e Ana Sosa, designers industriais por formação, que projetam juntos, desde 2013, móveis, acessórios e interiores. A dupla trabalha numa sala envidraçada de um prédio comercial em Montevidéu, na qual expõe peças do portfólio, vendidas em lojas do Uruguai e internacionais, como bancos, mesas, itens de uso pessoal, luminária e relógio. No Brasil, licenciaram a produção de alguns itens para a Tok&Stok, além de venderem na Suíça e criarem peças exclusivas para escritórios de arquitetura uruguaia como Mapa e Mass.  Seu desenho é simples e atemporal, combinando materiais diversos, como cerâmica, ferro, madeira e cortiça. Recentemente desenvolveram uma elegante série para cuidados pessoais, que inclui espelho, bandeja e escova de cabelo. O contraste e as texturas dos materiais – madeira e couro – chamam a atenção, assim como o uso de técnicas artesanais de trançado.  “Nosso objetivo é cativar as pessoas e melhorar seu dia a dia com nossos produtos”, afirma Ana. Entre os prêmios conquistados estão: A’Design Award, na Itália, e Salão Design, no Brasil.

Fotos: Divulgação

Lateral

Mauro Cammá e Santiago Pittamiglio fundaram o estúdio Lateral em 2012. Seus projetos resgatam técnicas artesanais de raiz, como é o caso da série de tapetes Lagunas, inspirada nas lagoa da costa do Uruguai e finalista do Prêmio Salão Design 2016, e das luminárias Noto e das mesas Cestos, feitas de rattan natural. Além de desenhar produtos, eles desenvolvem comunicação visual para marcas. “Criamos produtos de valor e adequados ao mercado.” A luminária Lum remete a faróis e procura brincar com o arquétipo do objeto luminoso. Com linhas minimalistas, a cadeira Fevereiro foi desenhada para a gaúcha Punto Mobile.

Fotos: Reprodução/Instagram

Amueblate

O casal Andrea Kac e Herman Schenck, ela designer e ele engenheiro, foca seu trabalho no mercado internacional, criando produtos que se adaptam com facilidade ao dia a dia. O estúdio Amueblate existe desde 2012 e já projetou mais de 100 itens, licenciando suas peças para o segmento moveleiro do Brasil, Chile e Estados Unidos. Vários de seus móveis e acessórios podem ser encontrados nos sites da Muma e da Oppa.

Fotos: Reprodução/Instagram

La Agencia

A premiada agência internacional de design se especializou em sistemas de móveis contemporâneos com uma equipe de criativos empenhada em desenvolver o conceito completo do produto, da ideia ao desenvolvimento na fábrica. Desenham para marcas italianas, espanholas e brasileiras, como a Florense, para quem assinam modelos de cozinha, como a bancada F53, premiada com o Good Design Award – uma homenagem ao ano de fundação da fábrica gaúcha, em 1953. Produzidos de carvalho americano e com estrutura de aço carbono, os armários da mesma linha revivem a experiência do uso de produtos a granel.