Em alta, os elementos naturais, como pedras, madeiras e fibras, revestem espaços em três edições da mostra de decoração

Num mundo cada vez mais virtual, o desejo por uma rotina mais tranquila e real se estabelece com força. No décor, o uso de elementos naturais é crescente e evidencia uma tendência comum nas mostras. A arquiteta catarinense Juliana Pippi, autora do projeto da foto, é adepta do estilo e levou referências de sua conexão com o mar para seu ambiente na Casa Cor Santa Catarina. Elegemos mais três espaços, dois em Brasília e um em Pernambuco, cuja temática sugere uma vida mais conectada ao que nos é essencial.

Além do estilo Natural, os quatro ambientes que mostramos abaixo têm em comum o fato de estarem inseridos em edifícios históricos: Casa Manchete, em Brasília, com assinatura de Oscar Niemeyer; um casarão da década de 30, no bairro Casa Forte, em Pernambuco; e a Casa Hercílio Luz, em Santa Catarina. Em Florianópolis, a mostra se estende ainda para o empreendimento multifuncional Cidade Milano. Veja agora nossa seleção que ilustra bem esse conceito.

Fotos: Mariana Boro e Marco Antonio.

A arquiteta Juliana Pippi imprime a atmosfera praiana no loft Para perto do mar, da Casa Cor Santa Catarina. Os tons, texturas e tramas remetem à areia da praia e causam a sensação de calmaria e leveza nos 135 m² que integram estar, espaço gourmet, quarto e sala de banho. As paredes, vigas e pilares foram revestidos com cimentício fabricado a partir de resíduos de pedras naturais. Na cozinha, a mesa All White é de autoria da arquiteta. Obras de artistas como Kiolo, Victor Collor e Clara Fernandes incrementam o espaço com peças produzidas por artesãos da Ilha do Ferro. Entre as peças de mobiliário, estão as de Domingos Tótora, Ana Neute, Maneco Quinderé, Guilherme Wentz, além de um desenho exclusivo de Jader Almeida para a bancada da sala de banho.

Fotos: Jomar Bragança.

Depois de participar de Casa Cor São Paulo e Goiânia, Leo Romano assina a Galeria Só Reparos, em Brasília. O espaço de 300 m² investe em cores claras e poucos móveis que fazem um convite à introspecção. A área foi construída sobre a antiga piscina da Casa Manchete, edifício de Oscar Niemeyer. Tijolinhos brancos circundam o ambiente, convidando a entrar no estar com peças criadas pelo arquiteto goiano e pela artista Ieda Jardim.

Fotos: Jomar Bragança.

Bambu, madeira e palha compõem a atmosfera de relaxamento na Sala de Banho S Dois, do Studio 2, na Casa Cor Brasília. A dupla, formada pelo arquiteto Alex Claver e o designer de interiores Wilker Medeiros, se inspirou na cidade de Tulum, no México, para ambientar os 70 m². Itens de artesanato de diferentes localidades dão personalidade e o toque afetivo para o projeto, que mescla harmoniosamente o rústico com o contemporâneo.

Fotos: Denilson Machado.

O artista plástico pernambucano Francisco Brennand é homenageado no Espaço Zen Deca, de André Carício na Casa Cor Pernambuco. Pedra em revestimentos e no mobiliário, palhinha e tijolinhos aparentes remetem ao conceito japonês Wabi Sabi, que prega a beleza das coisas imperfeitas e incompletas. O contraponto fica por conta da automação e da tecnologia empregada nos produtos da Deca.