Apartamento térreo de 200 m² ganha nova configuração para conquistar luz natural e mais conforto

Fotos: Evelyn Müller

No apartamento de um antigo edifício de Pinheiros, em São Paulo, os arquitetos Gabriel Valdivieso e Rodrigo Martins foram desafiados a transformar os espaços compartimentados e escuros em amplas áreas banhadas de luz. A reforma integrou os ambientes, trazendo os pátios externos, planejados com muito verde e jardins verticais, para os interiores. Pensado para uma jovem família, o projeto deslocou a cozinha, envolvida por uma espécie de aquário, para o centro da planta baixa, privilegiando a visão das salas de estar e jantar.

Os três quartos viraram suítes e ainda sobrou espaço para um simpático home-office, atendendo ao pedido dos proprietários. O banheiro do casal contempla revestimento de seixos e divisórias de vidro com porta que se abre para o exterior. Na decoração, móveis de design nacional e internacional se combinam com itens vintage, como a cômoda no quarto dos donos. Confira a entrevista com o arquiteto Gabriel Valdivieso.

Quais foram os desafios desse projeto?

O maior deles foi solucionar o layout: trazer esse aquário para o centro do apartamento e redistribuir os quartos para virarem suítes. A graça ali foi abrir os espaços para os pátios, com acesso à área externa.

Quanto tempo durou a reforma?

Oito meses. O prédio em si é simples, mas o imóvel tinha muito potencial. Demolimos as paredes e refizemos tudo. Um dos highlights é o piso importado de carvalho, da empresa Hakwood. Escolhemos esse tom claro para trazer esse clima fresco para o apartamento. O dono é australiano e trabalha com a mulher numa empresa de intercâmbios. Eles queriam uma atmosfera leve, que remetesse a Austrália. O piso lavado do assoalho favorece a luminosidade, pois antes era tudo muito escuro. Na cozinha, feita pela Securit, usamos a madeira tauari e ladrilhos hidráulicos desenhados pelo Marcelo Rosenbaum para a Brasil Imperial, demarcando a ilha. Os vidros são transparentes, o tijolinho branco e a paleta lavada. Partimos do carvalho claro para definir a parede off-white e o rosa-pálido do sofá. Pintamos o forro da mesma cor das paredes para um resultado mais contemporâneo e homogêneo. O tijolo aparente, além de favorecer o conforto visual, amarra todos os espaços.

Quais são as peças de design?

A mesa de jantar é assinada pelo Jader Almeida para Sollos, as cadeiras são Thonet e, nesse ambiente, há ainda uma luminária de mesa do Estúdio Rain. É deles também a mesinha preta no estar. O sofá, do estudiobola, tem estilo despojado para privilegiar o conforto. A poltrona verde compramos no Téo e o tapete étnico, de 5 x 4 m, a dona trouxe de Londres. Dos pedidos dela, emolduramos o lenço com a estampa do Abaporu, da Tarsila do Amaral, e incluímos o preto na cozinha para contrastar com a paleta clara. Tudo foi muito discutido e costurado com eles, que foram ótimos clientes e muito participativos.

E os quartos?

No do casal, aplicamos um papel em degradê da empresa branco. No da menina, usamos um floral assinado pela Ana Strumpf para a mesma marca. A cuba ficou do lado de fora para ganharmos espaço no banheiro com boxe e vaso sanitário. Os armários são de laca branca, bem diferente dos de mogno escuro que havia ali. O banheiro dos donos é o máximo, com banheira, ducha, seixos e vista para o jardim.