Na reforma em Salvador, o arquiteto baiano priorizou as áreas de convivência para a família acostumada a receber

Fotos: Fran Parente

Neste imóvel de 900 m² de área útil na capital baiana, 500 m² são dedicados aos espaços sociais: living, home theater, sala de jantar e terraço. “Moram ali o casal e um filho de 11 anos. As duas mais velhas já não vivem mais com eles”, conta David Bastos, autor do projeto. A explicação para metragens tão generosas está no desejo dos donos de ter a casa sempre cheia de amigos. “O proprietário me pediu para desenhar a mesa com 30 lugares, pois ele faz questão de manter os convidados sentados durante as refeições.” O móvel é ovalado, com 9 m de comprimento por 2 m de largura na parte central, permitindo que todos se vejam. Confira a entrevista com o arquiteto, que mantém escritórios em Salvador e São Paulo.

Quais foram os motes deste projeto?

Eu me preocupei em ocupar bem os espaços e com a qualidade dos móveis. O layout é solto, os sofás curvos e os revestimentos nobres. Usei painéis de nogueira nas paredes e mármores Branco Paraná e Verde Alpino no piso. Esses elementos me remeteram ao Palácio da Alvorada.

A mesa de jantar é uma das atrações do design de interiores. Você já havia desenhado uma mesa tão grande?

Nunca. Já tinha feito mesas de dez lugares de cada lado, mas de 14 é a primeira vez. Os donos gostam de receber e prezam pelo conforto dos convidados, desejavam ter todos sentados. Apliquei a nogueira nas paredes da sala de jantar para dar aconchego e quebrar a rigidez. Na varanda, tem ainda mais 20 lugares, distribuídos entre a mesa redonda e a bancada da área gourmet. O tamanho da mesa de jantar certamente chama a atenção de quem visita o apartamento, mas ali há outras atrações, como a vista do mar de Salvador e os espaços generosos. Nada disso passa desapercebido.

Entre os móveis contemporâneos, você elegeu peças de antiquários…

Selecionei peças brasileiras do século 18 para dar um ar regional: a talha de anjos na parede, o móvel português, imagem de Santo Antônio. As telas são de artistas contemporâneos.

Você tem escritório em São Paulo e na Bahia, vê diferença nos desejos dos clientes?

Eu não sinto muita diferença. O cliente vem para o escritório porque conhece meu trabalho. Meu objetivo é atender as expectativas e deixar os moradores felizes nos espaços de sua casa. Alguns clientes conversam mais, outros menos, mas sempre chegam com o mesmo pedido: “Faça o melhor com menos”.